WhatsApp ganha 6 estrelas após criptografia

A criptografia no WhatsApp chegou na última terça-feira (5). Com o lançamento, o app para Android, iPhone eWindows Phone subiu no ranking de uma organização que classifica a segurança dos mensageiros instantâneos. Isso significa que os usuários do programa podem ficar despreocupados em relação a alguns quesitos relacionados com a proteção de seus dados.

Mesmo com o upgrade desta semana, no entanto, o WhatsApp ainda perde para o rival Telegram quando estão em avaliação os chats supersecretos. Eles permitem até mesmo a função de autodestruir as mensagens após alguns segundos.

Whatsapp

 

Histórico

O WhatsApp possuía somente duas estrelas de um total de sete no levantamento da Electronic Frontier Foundation (EFF), uma organização baseada em São Francisco (EUA) que tem por objetivo proteger direitos civis no mundo digital, entre eles a segurança e privacidade. O modo de criptografia eram os protocolos SSL e TLS, os mesmos usados na troca de emails.

No entanto, segundo a empresa de segurança Kaspersky Lab, o app “possuía falhas que permitiam que hackers roubassem e decodificassem as mensagens enviadas pelos usuários”. Além disso, parte dos dados não era codificada – ou seja, não contavam com nenhuma camada de segurança

Com a mudança anunciada nesta semana, o WhatsApp adotou uma tecnologia de segurança fornecida pela organização sem fins lucrativos Open Whisper Systems. Com a chamada criptografia ponta a ponta, não é mais possível interceptar “todas as ligações de voz que você quiser, e qualquer mensagem, foto, vídeo, arquivo ou mensagem de voz que enviar, (…) incluindo os chats em grupo”, segundo o WhatsApp.

Seis estrelas

O resumo da ópera é que todas as mensagens passam a ser embaralhadas antes do envio para o destinatário. Elas só são decodificadas ao chegar no telefone do seu contato ou grupo de amigos. Tornou-se mais difícil interceptar o que é dito ou enviado e, segundo o WhatsApp, não é mais possível saber o que as pessoas estão falando, nem mesmo por criminosos, hackers, regimes opressores ou mesmo os funcionários do aplicativo.

Após a reavaliação da EFF, o mensageiro passou a ter os seguintes pontos positivos em relação à segurança e proteção.

1. Criptografia no trânsito das mensagens.
2. Encriptado de maneira que os responsáveis pelo serviço não possam ler.
3. Usuário pode verificar a identidade dos contatos.
4. Os conteúdos das mensagens já enviadas ficam seguros se as chaves (digitais de segurança) são roubadas.
5. O esquema de segurança está apropriadamente documentado.
6. Passou por uma recente auditoria no código.

Fica faltando ter um código-fonte aberto à revisão de profissionais de segurança independentes.

Os criadores do WhatsApp disseram, a propósito do recente lançamento, que o app se tornou “líder em proteger suas comunicações particulares”. De fato, o WhatsApp aparece à frente de outros aplicativos bastante utilizados, como o Messenger do Facebook. Ele tem somente duas estrelas, assim como oGoogle Hangout e o Viber. O FaceTime da Apple ganhou cinco estrelas.

Telegram: rival é campeão

Somente sete aplicativos oferecem troca de mensagens supersegura a ponto de receber o número máximo de estrelas na avaliação da EFF. Entre eles, o Telegram é o mais conhecido. O aplicativo baseado na nuvem tem versões para celulares e também aplicativos instaláveis no Windows e Mac.

A troca comum de mensagens ganha somente quatro estrelas e falha em aspectos como a encriptação de modo que os envolvidos no serviço não consigam visualizar a mensagem. No entanto, ele oferece os chats secretos: são janelas de conversa mais protegidas e que contam inclusive com a função de autodestruição, em que o conteúdo some depois de alguns instantes.

Para acessar as conversas secretas é necessário estar no smartphone. No teste feito em um iPhone 6S, a função precisou que o contato também aceitasse essa forma de comunicação. O chat secreto oferece a remoção de “rastros nos servidores” do Telegram e impede o encaminhamento das mensagens para outros amigos.